sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Livro:Cartas de amor aos mortos

 Hoje, é "Halloween"  cuja a teoria mais aceita de sua origem pode-se citar o ritual celta Samhaim, onde se comemora a passagem do ano e o início do inverno (início de novembro no hemisfério Norte); acreditava-se que os mortos retornavam para visitar seus familiares e buscar alimento. Segundo esse pensamento, o Samhain teria sobrevivido à cristianização na forma do Halloween. Então hoje a resenha fica por conta de um livro que tem a palavra "Mortos" logo no título. Quem fez a resenha a seguir é minha amiga "parabatai" Nainha.

Sinopse: "Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho."


Comentando...

Laurel ficou devastada depois da morte de sua irmã May. Ela tinha na irmã um exemplo a ser seguido, um espelho. 

"Desde que ela morreu, tem sido difícil ser eu mesma, porque não sei exatamente quem sou." Pág. 9
Por causa do que aconteceu com May, Laurel decide que o melhor é mudar de colégio para não ter ninguém que a conheça olhando com pena para ela.

"Eu não queria ninguém sentindo pena de mim nem fazendo perguntas que eu não saberia responder." Pág. 10

Na nova escola Laurel vê uma forma de começar do zero. Ela recebe uma tarefa de escrever uma carta para alguém que já morreu. 

"... escrever uma carta para uma pessoa que já morreu." Pág. 9

Na nova escolha ela conhece novos amigos e também seu primeiro amor.

"Gosto de observar um garoto em especial, que, descobri, se chama Sky." Pág. 10

Na primeira vez em que li a sinopse desse livro achei um pouco estranho. Mas uma amiga leu e disse que valia muito a pena ler. Ganhei o livro de presente e decidi cair de cabeça nessa leitura. E acabei me surpreendendo.

O livro todo é narrado pela Laurel através das cartas que ela escreve para os famosos que já morreram. Um fator que ajuda a dar uma dinâmica ao livro. Nas cartas descobrimos um pouco sobre cada famoso e também vemos o crescimento da Laurel. As cartas ajudam Laurel a contar o que não consegue a mais ninguém, elas são um meio para a Laurel externar o que está sentindo, uma forma de mostrar seus sentimentos, de ser ela mesma. 
A Laurel é muito dependente da sua irmã, ela sempre estava indo atrás da May, praticamente imitando os passos da irmã. Com a morte de May, ela tenta suprimir a falta que a irmã faz em sua vida,  mas o modo que ela faz isso não é saudável. Com o decorrer da narrativa Laurel vai entendendo que a maneira que ela está conduzindo sua vida não está certo, que ela tem que mostrar ser ela mesma e não uma "sombra".
Com o  tempo vemos a construção da personalidade da Laurel, ela vai traçando seu próprio caminho sem trilhar o de May. Laurel vai mostrar que possui uma grande força ao encarar o que aconteceu no dia da morte de May. E também que todos comentem erros. 
Laurel no novo colégio encontra novos amigos que vão ajudá-la a superar grandes desafios. E também vai encontrar um amor que é um garoto misterioso que esconde algo.
Tem o mistério sobre o que aconteceu com May, existe algo por trás de sua morte e Laurel sente-se culpada pelo que aconteceu. 
O livro mostra que temos que ser nós mesmos, que não devemos buscar imitar os outros. Que a beleza existe em mostrar o nosso verdadeiro eu.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Entrevista:Samanta Holtz

 Esse mês a entrevista fica por conta da autora Samanta Holtz, a seguir as perguntas com as respectivas respostas da escritora:

1). Sei que é muito difícil pois a lista deve ser grande, mas cite três autores (as) que você se considera fã?
Olá, querida! Você tem razão, é uma tarefa difícil selecionar apenas três (risos)... Mas eu vou tentar!
Vou começar com Maurício Gomyde. Ele é um romancista de primeira! Além de escrever bem, é extremamente inteligente e criativo ao escrever histórias, criando livros que nos prendem de verdade e nos emocionam.
A segunda é Sophie Kinsella. Já li todos os livros da autora e ela é o tipo de quem eu "leria até lista de supermercado"! Histórias divertidas, inteligentes e surpreendentes. Adoro!
O terceiro escolhido é J. K. Rowling. Além da história pessoal dela ser inspiradora e um exemplo a qualquer aspirante a escritor, ela tem uma capacidade incrível de escrever histórias tão envolventes que quase passam a fazer parte da nossa realidade. Além disso, admiro como ela consegue coordenar tantos detalhes e ligar uns aos outros, sem perder o fio da meada e fechando tudo na hora certa. É perfeita!

2). Qual foi a inspiração para escrever seu romance "Quero ser Beth Levitt"?
Para ser sincera, eu não sei responder a essa pergunta (risos). "Quero Ser Beth Levitt" é um livro cuja ideia foi nascendo aos poucos e, igualmente aos poucos, foi escrita. Todo o processo criativo começou antes mesmo de eu publicar O Pássaro e foi cheio de interrupções e recomeços, totalizando mais de quatro anos de trabalho até a conclusão da primeira versão. Mas eu lembro que começou com a ideia do casal protagonista e o auge romântico da história (que não contarei para não ser spoiler... rs!). O restante foi construído em torno dessa ideia... como chegaram até lá? Quem é ela? Quem é ele? O que acontecerá depois? Foi um processo que eu degustei de forma lenta e despretensiosa, e realmente embalei para concluir depois que "O Pássaro" foi publicado e as chances de também publicar Beth se tornaram reais.
  
3). Curiosidade... Por que  a escolha do nome Beth Levitt , alguma explicação?
Nenhum motivo em especial. Eu sabia que Beth seria uma personagem em quem Amelie iria se inspirar, e tentei imaginar o nome completo que soasse de forma harmônica. "Beth Levitt" foi a primeira opção que me ocorreu, e não consegui pensar em outro nome que soasse melhor do que ele - mesmo porque eu sabia que usaria essa frase no título do livro. Apenas atentei-me a usar um sobrenome que remetesse a uma história francesa, pois, também sem motivo especial, imaginei que Doce Acaso, o romance de quem Beth é protagonista, seria um romance francês. Apenas para ter uma referência e seguir um padrão ao escolher os nomes dos outros personagens! 

4). Samanta, há muitas mudanças inesperadas quando você senta e começa a escrever?  Mudança no rumo dos personagens, se sim, por favor cita um exemplo.
Sim. Costumo dizer que há momentos em que o autor conduz a história, e há momentos em que a história conduz o escritor. Já me vi escrevendo uma história sabendo exatamente aonde queria chegar, mas, durante o processo criativo, percebi tendências e novas possibilidades que ainda não haviam me ocorrido, e que ficariam muito melhores do que a ideia inicial. Por isso é que acho importante o escritor manter a mente sempre aberta! Um exemplo clássico é o final do livro "O Pássaro" - mais precisamente, o destino que dou à personagem Caroline. Quem já leu vai entender (risos)... eu tinha uma ideia em mente para ela, mas, à medida que a história se desenvolveu, eu percebi que ela merecia um final muito mais nobre e heroico do que um "final comum". Não combinaria com ela. Então, mesmo com dor no coração, aceitei que aquele era o final perfeito para ela. E assim ficou! Em "Quero Ser Beth Levitt", também sabemos que há dois vilões principais na história, que se revelam no final. Um deles, eu idealizei apenas muito mais tarde, quando percebi que ele começou a fazer muito mais parte da história do que eu previa inicialmente. Gosto de pensar que é o jeitinho que os personagens encontram de "manipular" o escritor e dar à história o rumo que eles querem (risos)... sei que é um pensamento louco, mas a cabeça de um escritor é assim!

 5). Por favor, deixe um recado para os leitores do blog.
Em primeiro lugar, quero agradecer a você, Luiza, por ter me convidado a essa entrevista. Fiquei muito feliz! Aos leitores do blog, quero agradecer a todos que dedicaram seu tempo a ler minhas respostas e conhecer um pouco mais de mim. Desejo que cada um de vocês tenha uma linda jornada na busca por seus sonhos e permaneça firme, acreditando que são possíveis! E, caso queiram conhecer mais do meu trabalho ou saber minha agenda de eventos, o link é: www.samantaholtz.com/p/eventos.html
Beijos!

domingo, 26 de outubro de 2014

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Cinema: O Melhor de Mim

Sinopse: "Adolescentes, Amanda (Liana Liberato) e Dawson (Luke Bracey) se apaixonam. O pai da garota não aprova o relacionamento e, com o passar do tempo, os jovens acabam se afastando e tomando rumos diferentes. Duas décadas mais tarde um funeral faz com que os dois (Michelle Monaghan e James Marsden) voltem à cidade natal e se reencontrem. É o momento de ver se os sentimentos persistem e avaliar as decisões que tomaram na vida."

Comentando...

Oficialmenete, o filme ainda não estreiou, mas a fofa da Editora Arqueiro conseguiu que alguns parceiros assistissem em uma sessão especial "Cabine Imprensa". Esse livro  ainda não li... Então vou comentar como telespctadora... E o primeiro comentário é o seguinte:


Por que...Mas por que titio Nicholas Sparks cria mocinhos tão perfeitos?  Sério, estou a procura de um e não se encontra Noahs, nem Dawsons por aí....

  Em "O Melhor De Mim" o público vai conhecer Dawson que eu carinhosamente apelidei de o "novo Noah".Esse filme tem  os mesmos elementos de "Diário de uma paixão",  ou seja, um grande amor,  rapaz pobre X moça rica, distanciamento e finalmente o casal se encontra anos depois. Entretanto Sparks  consegue criar OUTRA história tão boa quanto o aclamado "Diário de uma Paixão".

 Amei o elenco e as interpretações; o único porém é que apesar de ótimo em sua atuação, fisicamente não ficou muito parecido o ator escolhido para interpretar o personagem Dawson na juventude.

Recomendo para quem é sensível se previnir e ter uma caixinha de lenço ao lado.O público que se encantou com a história de amor entre Noah e Allie agora poderá se apaixonar  e se emocionar com o casal Dawson e Amanda .

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Nesse instante, na estante: Lançamentos Editora Novo Conceito

E no quadro "Nesse instante, na estante" segue alguns dos lançamentos fofos da Novo Conceito:


Sinopse: "Todo mundo acha que Rosie e Alex nasceram para ser um casal... Menos eles mesmos. Inseparáveis desde a infância, a vida acabou por distanciá-los. Através dos anos, a amizade foi mantida através de e-mails, mensagens de texto, cartas e cartões-postais, permitindo que os dois aprendessem a viver um sem o outro. Só que o destino gosta de se divertir, e mostrará a eles – e aos leitores – que grandes histórias não terminam de forma simples. Apaixone-se e conheça mais um grande sucesso de Cecelia Ahern."
Sinopse:“ Meu primeiro impulso não é agarrá-la nem beijá-la. Eu só quero tocar sua bochecha, ainda corada pela apresentação desta noite. Eu quero atravessar o espaço que nos separa, medido em passos – não em milhas, não em continentes, não em anos –, e acariciar seu rosto com um dedo calejado. Mas eu não posso tocá-la. Esse é um privilégio que me foi tirado.” Com a mesma força dramática de Se Eu Ficar, agora pela voz de Adam, Para Onde Ela Foi expõe o desalento da perda, a promessa da esperança e a chama do amor que renasce."

Sinopse: Annie vê o seu mundo desabar repentinamente quando o marido a abandona. Perdida, ela resolve fugir para Mystic, a pequena comunidade onde ela cresceu. Lá, começa a se reerguer novamente, descobrindo o amor por si mesma, por um velho amigo solitário e por uma garotinha que acaba de perder a mãe. Tudo começa a se encaixar na vida de Annie, até que o seu ex-marido reaparece, destruindo sua aparente tranquilidade. Kristin Hannah encanta mais uma vez com uma história comovente sobre os fios frágeis que unem as família."

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Livro:Ligeiramente Casados

 
Sinopse: "À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse – “Custe o que custar!”. Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum. Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela... a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele – o que acontecerá em quatro dias. Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar. Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados... "
Comentando...

Antes de mais nada, tenho que comentar: Que capa mais fofa essa que a editora Arqueiro colocou não? Fazendo uma brincadeira com o título do livro, eu simplesmente fiquei "Ligeiramente apaixonada" pela capa!
 "Ligeiramente Casados" é o típico romance histórico.... Com bailes, piquiniques, dramas... Aquele estilo que você se vê virando cada página rapidamente. A autora Mary Balogh tem uma narração que chama atenção do leitor:
"...Era isso que os privilégios da aristrocracia faziam com um homem? Faziam com que acreditasse ter o direito de ir aonde não fora convidado, para se intrometer nos assuntos particulares dela, para se dirigir a ela daquela maneira abrupta e impertinente? " -Página 48

"...- Amor.O que é o amor além de um termo abstrado que não se pode sequer ser definido senão em ações? "- Página 234

Uma frase que fica MUITO marcada ao longo dos primeiros capítulos é:

"Prometa que irá protegê-la.Prometa! Custe o que custar!"

 A trama é bem deselvolvida pela autora e cada vez se conhece um pouco mais dos personagens que  como todo bom livro, consegue encantar o leitor. A única "crítica" é que como estou acostumada a ler livros que enaltecem tanto a beleza física dos personagens senti falta disso, pois Mary volta e meia lembra ao leitor que tal personagem não tinha os padrões de beleza. Entretanto é ótimo a forma como ela descreve ações e pequenos gestos como  um simples sorriso e demonstra ,sem sombra de dúvida, a beleza interior dos protagonistas.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Leio; por que?

Revirando minhas coisas... Encontrei esse pequeno texto que havia feito:

Leio; por que?

Não entendo como alguns podem o menosprezar? 

Ele nunca te julga e mesmo assim, sempre é um amigo leal. Está ali sempre disposto a contar sua história, basta revirar suas preciosas páginas. Arranca suspiros, causa o amor, tristeza, alegria... Um turbilhão de emoções...
Cada um é presenteado pelo seu mistério que tenho o prazer de desvendar ao ler cada palavra. Contudo, não se pode enxergar o que não se deseja ver. Leio porque quero enxergar o novo, o antigo, o alegre, o triste, o feio, o bonito... Conhecer o mundo! 

domingo, 12 de outubro de 2014

Livro:Mar da Tranquilidade

Sinopse: "Nastya Kashnikov foi privada daquilo que mais amava e perdeu sua voz e a própria identidade. Agora, dois anos e meio depois, ela se muda para outra cidade, determinada a manter seu passado em segredo e a não deixar ninguém se aproximar.
Mas seus planos vão por água abaixo quando encontra um garoto que parece tão antissocial quanto ela. É como se Josh Bennett tivesse um campo de força ao seu redor. Ninguém se aproxima dele, e isso faz com que Nastya fique intrigada, inexplicavelmente atraída por ele.

A história de Josh não é segredo para ninguém. Todas as pessoas que ele amou foram arrancadas prematuramente de sua vida. Agora, aos 17 anos, não restou ninguém. Quando o seu nome é sinônimo de morte, é natural que todos o deixem em paz. Todos menos seu melhor amigo e Nastya, que aos poucos vai se introduzindo em todos os aspectos de sua vida.
À medida que a inegável atração entre os dois fica mais forte, Josh começa a questionar se algum dia descobrirá os segredos que Nastya esconde - ou se é isso mesmo que ele quer.

Eleito um dos melhores livros de 2013 pelo School Library Journal, Mar da Tranquilidade é uma história rica e intensa, construída de forma magistral. Seus personagens parecem saltar do papel e, assim como na vida, ninguém é o que aparenta à primeira vista. Um livro bonito e poético sobre companheirismo, amizade e o milagre das segundas chances
."


Comentando...
Mar da Tranquilidade é um livro intenso. Posso dizer que é tudo, menos tranquilo.
Imagine como é estar na cabeça de dois protagonistas introspectivos, cheios de pensamentos,
Josh Bennett
memórias, perdas, medos e um passado traumático que os faz criar inúmeros artifícios de proteção contra mais sofrimento. Estes são Josh e Nastya, que se identificam um com o outro justamente por serem considerados “problemáticos”. Ele é solitário e evitado por todos, mas de uma forma respeitosa. Ela se veste sem o menor pudor, não liga para o que os outros dizem e simplesmente não fala. Nada. Com ninguém.
Cativante do início ao fim, é uma leitura que prende, tanto pelo desenrolar dos acontecimentos, quanto pelos mistérios relacionados ao passado de Nastya e a forte necessidade de tentarmos compreender seu comportamento autodestrutivo. A narrativa, contada do ponto de vista dos dois personagens, é envolvente, recheada de muita criatividade, inteligência, sarcasmo e ironia (o que eu adoro), que nos fazem sorrir a cada momento. Tudo tem uma explicação, desde o título do livro, o sorvete na capa, até o significado dos nomes dos personagens, fato que me surpreendeu, pois adoro quando o autor consegue fechar todas as pontas soltas, inclusive aquelas que nem conseguíamos ver.
O livro é profundo e muito humano, pois à medida que vamos conhecendo os personagens, percebemos que eles também vão mudando suas concepções sobre si mesmos e sobre os outros ao seu redor. E a maneira como eles se ajudam neste processo é brilhante, pois nos mostra o quanto o contato com o outro nos ajuda a crescer e a nos tornar pessoas melhores. Descobrimos suas máscaras e os motivos por trás delas. Além de tentarmos, junto com eles, entender o porquê dos acontecimentos. E a autora não deixa a desejar nesse quesito.
Em quase todos os livros, a mocinha tem uma melhor amiga chata (ou muito mais bacana que a própria mocinha). Neste livro, temos Drew, que é o melhor e único, amigo de Josh. Drew é uma figura, faz um monte de besteira e também tem seus problemas, mas nos surpreende. Só sei que quando o livro acabou, senti saudades de todo mundo. Hehe
Quem leu“Caso Perdido”, da Colleen Hoover, vai encontrar muitas semelhanças, pois Nastya também gosta de correr, de cozinhar doces, tem um passado que quer esquecer. Mas não passa daí. Certa vez, um amigo me disse que, apesar das semelhanças, cada estória é única, pois tem um pouquinho daquele que a escreveu, daquilo que o autor acredita, dos sonhos, qualidades que ele admira... E é esta parte, este tempero especial que devemos saborear.
Não copiei trechos do livro de propósito. A melhores frases revelam demais e, fora de contexto, poderiam dar uma ideia diferente da verdadeira. Então fica por sua conta, ler e escolher suas favoritas.
Uma das muitas coisas que vou levar pra minha vida é a ideia de que o “real”, nesta vida, é imperfeito. Mas é real e é isso que importa e é tudo o que temos. O perfeito está quase sempre fora do nosso alcance e seremos mais felizes se não pensarmos tanto nisso. hehe

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Seriado: Awkward

Dica de seriado que só assisti 3 episódios e já me viciei! E só fico pensando "Por que eu não vi antes?" Sim! Porque Awkward está atualmente em sua quarta temporada e eu iniciei somente agora a primeira temporada.

Sinopse: " A série conta a história de Jenna Hamilton, uma garota esquisita e pouco popular. Ao receber uma carta, a garota sofre um acidente e todos pensam que ela quis se suicidar. Entretanto, o incidente faz com que Jenna seja notada na escola (algo que nunca havia acontecido antes), o que pode ser usado a seu favor para finalmente se tornar popular."

Comentando...

 Essa sinopse é digna de um bom livro young- adult não?  Sério, parece uma história a la Meg Cabot, pois é recheada de humor, sem ter aquele toque forçado. A palavra "awkward", título do seriado é na verdade "Desajeitada" e Jenna é o tipo de protagonista que encanta o telespectador e claro você fica na torcida por ela desde o início. O modo como ocorre o acidente dela que será visto por todos como um "suposto suicídio" é HILÁRIO! E blogueiras, atenção! A personagem Jenna tem um blog! Não é demais? Adoro quando ela senta e escreve. Outro ponto alto do seriado é a trilha sonora que é ótima. E para a alegria do telespectador, quando surge alguma música, no geral, aparece em baixo um recado com o nome do artista e da música. Bem pensado isso, não?

Ah! Ainda  tem A carta que a protagonista recebe logo no piloto da série, tal carta tem "dicas" de como ela deve ser para não ser mais "invisível" e é assinada como um Friend... Um mistério quem mandou a carta.

São capítulos curtinhos em torno de 20 minutos como o famoso seriado "How meet you mother", "Friends" e tantos outros...Concluindo,  "Awkward" virou meu novo seriado queridinho do momento.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Livros e Filmes: Lançamentos Editora Arqueiro

Sinopse: "Na primavera de 1984, os estudantes Amanda Collier e Dawson Cole se apaixonaram perdidamente. Embora vivessem em mundos muito diferentes, o amor que sentiam um pelo outro parecia forte o bastante para desafiar todas as convenções de Oriental, a pequena cidade em que moravam. Nascido em uma família de criminosos, o solitário Dawson acreditava que seu sentimento por Amanda lhe daria a força necessária para fugir do destino sombrio que parecia traçado para ele. Ela, uma garota bonita e de família tradicional, que sonhava entrar para uma universidade de renome, via no namorado um porto seguro para toda a sua paixão e seu espírito livre. Infelizmente, quando o verão do último ano de escola chegou ao fim, a realidade os separou de maneira cruel e implacável. Vinte e cinco anos depois, eles estão de volta a Oriental para o velório de Tuck Hostetler, o homem que um dia abrigou Dawson, acobertou o namoro do casal e acabou se tornando o melhor amigo dos dois."

"Nova edição com capa baseada no pôster do filme que estreia nos cinemas no dia 30 de outubro"

Sinopse: "Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte. E, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho.
 Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente.
 Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. E, mesmo que conseguisse se comunicar, seus mantimentos terminariam anos antes da chegada de um possível resgate.
 Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico – e um senso de humor inabalável –, ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência.
 Para isso, será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e, usando uma genial mistura de cálculos e fita adesiva, vai elaborar um plano para entrar em contato com a Nasa e, quem sabe, sair vivo de lá.
Com um forte embasamento científico real e moderno, Perdido em Marte é um suspense memorável e divertido, impulsionado por uma trama que não para de surpreender o leitor."

"Perdido em Marte ganhará uma adaptação para o cinema estrelada por Matt Damon e
dirigida por Ridley Scott."

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Livro: Amor Sem Limites- Abbi Glines

Sinopse: "                                     O destino fez de tudo para afastá-los. 
                                                                                  Mas o amor os uniu.
Blaire Wynn conheceu Rush Finlay num momento muito difícil da vida dela, logo depois de perder a mãe e a casa em que morava. Filho de um astro do rock, Rush vivia num mundo de luxo, sexo sem compromisso e total despreocupação com o futuro. Exatamente o oposto de tudo o que Blaire conhecia.

Mesmo com tantas diferenças, a paixão entre os dois foi arrebatadora. Porém Rush guardava um segredo de sua família que levou ao fim do namoro e a um período de tristeza absoluta para o casal. Mas eles já não sabiam viver um sem o outro e cederam de novo àquele sentimento irresistível.
Agora Blaire está grávida, eles estão felizes e planejam se casar. Mas nem tudo está garantido. O pai de Rush chega trazendo más notícias e novamente os antigos problemas de família podem fazer com que os dois se afastem.


 Último volume da trilogia Sem Limites, que já vendeu mais de 5 milhões de exemplares no mundo todo, Amor sem limites é um livro sexy que vai fazer você acreditar que para cada problema há uma solução e, quando se trata de relacionamento, a cama é sempre um bom local para resolver conflitos.."

Comentando...
Esse é o terceiro livro que temos como casal Rush e Blaire. E  "Amor Sem Limites" já  inicia fazendo referência aos volumes anteriores, colocando em destaque a  seguinte frase:

"Quando encontrar seu motivo para viver, agarre-o.Nunca o perca de vista.Mesmo que isso signifique abrir mão de outros caminhos. " - Rush Finlay

  Ao longo da leitura o leitor se depara com os problemas do casal... Ou melhor,  um problema chamado Nan ( O personagem chata! Afinal ela é a "vilã").Abbi Glines consegue colocar outra revelação familiar na vida de Blaire. E o ponto alto do livro, sem sombra de dúvida, é o personagem Rush que se torna maduro e romântico. No casório dos protagonistas a autora presenteia o leitor com lindos bilhetes escritos por Rush e para completar Abbi escreveu uma canção que de acordo com o livro, Rush escreve e toca  para  Blaire. Claro, que como toda boa leitora fui procurar para ouvir a canção e no youtube  encontrei uma versão. O diferencial é que ainda colocaram o cantor fazendo o "discurso" conforme o livro para explicar sobre a música. Deixo o link para quem quiser conferir !

 Outro ponto positivo da leitura, foi que além da narrativa alternada entre Rush e Blaire na página 119 temos a narrativa de Grant ( irmão de consideração do Rush) e o que eu morri de rir foi que logo abaixo do nome do personagem que indica que será o narrador, a autora coloca a seguinte observação: " (Sim, você leu certo)". Já na página 135 temos a narração de uma nova personagem, Harlow e novamente  Abbi Glines me fez rir, ao escrever logo abaixo : "(Sim você leu certo de novo)".

 Ficou muito bem feita a conexão, desse livro com o volume "Estranha Perfeição" que foca no casal Woods e Della.
 É sempre bom deixar aquele alerta, que esse é um tipo de livro recomendado para maiores de 18 anos!